terça-feira, 4 de novembro de 2014

Livro:Mares de Sangue


Sinopse: Após uma batalha brutal no submundo do crime, o golpista Locke Lamora e seu fiel companheiro, Jean Tannen, fogem de sua cidade natal e desembarcam na exótica Tal Verrar para se recuperar das perdas e feridas. Porém, mesmo no extremo ocidental da civilização, não conseguem descansar por muito tempo e logo estão de volta ao que fazem de melhor: roubar dos ricos e embolsar o dinheiro. Desta vez, eles têm como alvo o maior dos prêmios, a Agulha do Pecado, a mais exclusiva casa de jogos do mundo, onde a regra de ouro é punir com a morte qualquer um que tente trapacear. É o tipo de desafio a que Locke não consegue resistir... só que o crime perfeito terá que esperar. Antigos rivais dos Nobres Vigaristas revelam o plano a Stragos, o ambicioso líder militar verrari, que resolve manipulá-los em favor de seus próprios interesses. Em pouco tempo, a dupla se vê envolvida com o mundo da pirataria, um trabalho inusitado para ladrões que mal sabem diferenciar a proa da popa de um navio. Em Mares de sangue, Locke e Jean terão que se mostrar malabaristas de mentiras, enganando todos ao seu redor sem a mínima falha, para que consigam sair vivos. Mas até mesmo isso pode não ser o bastante... "

Comentando...

Mares de Sangue é o segundo livro da Série Nobres Vigaristas, escrita por Scott Lynch. Para conferir a resenha do primeiro volume “As Mentiras de Locke Lamora”, acesse: http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/2014/03/livroas-mentiras-de-locke-lamora.html

E eu corrijo de novo: é difícil.
“Difícil” e “impossível” são primos que costumam ser confundidos,
mas têm muito pouco em comum.” -Pág.67

Assim como no primeiro livro, Lynch nos leva para outra realidade, onde nada, absolutamente nada é impossível. Essa imprevisibilidade e a capacidade genial de encontrar soluções para os mais improváveis problemas é que nos faz devorar uma página atrás da outra. O leitor se pergunta: “E agora? Como ele vai sair dessa?” e Locke e seu inseparável amigo Jean surgem com a estratégia mais mirabolante e inimaginável do mundo, que mesmo quando dá errado, acaba dando certo de alguma forma. E como os ladrões talentosos que são, quanto mais difícil o desafio, mais irresistível ele é.Mesmo sabendo que o que eles fazem é errado, a gente torce por eles, não tem jeito. Não havia título melhor que “Nobres Vigaristas”, pois é exatamente o que eles são.

Mas as portas de seu cofre são guardadas por engrenagens feitas por homens.
O que um homem tranca, cedo ou tarde outro destranca.” - Pág.67

“– O que o senhor deseja guardar? – Nada. É mais uma questão de algo que desejo desguardar.” - Pág.105

A dinâmica de leitura é a mesma, na qual o autor conta, de forma intercalada, os acontecimentos em dois momentos diferentes no tempo. No primeiro livro, o momento presente era alternado com o passado e infância de Locke e seus amigos.No presente de Mares de Sangue, já se passaram dois anos desde o término da primeira aventura, mas no final de cada capítulo, numa parte chamada “Reminiscência”, vamos conhecendo aos poucos a trajetória deles desde o dia em que entraram no navio e partiram de Camorr. O autor continua exatamente de onde parou. E nem preciso dizer que isso é ótimo, pois o final do primeiro livro é de dar nos nervos de tanta curiosidade.

“– Vejo coisas assim e me pergunto se eu era tão idiota quando tinha a idade daquele garoto.– Era pior – afirmou Jean. – Até bem recentemente. Na certa ainda é.” - Pág.27

Ainda somos presenteados com a riqueza de detalhes e as descrições minuciosas características da literatura fantástica, que atua em todos os nossos sentidos e nos fazem estar lá:contemplando o horizonte estrelado, sentindo a brisa da noite, o balanço das ondas sob os pés, o som das águas ao redor e o cheiro salgado que permeia o oceano. Mas por ser o segundo livro da série, já estamos um pouco familiarizados com o mundo de Locke. Muitos elementos, nomes, termos, lugares e povos são reconhecidos, o que dispensa algumas apresentações e torna a leitura mais fluida.


No coração da Castellana, guardado por um fosso vazio como um cânion circular feito de Vidrantigo, ficava o Mon Magisteria, o palácio do Arconte, um altíssimo feito humano brotando de grandiosidade excêntrica. (...) O Mon Magisteria era uma fortaleza ducal no verdadeiro estilo do Trono Terim, tinha facilmente quinze andares de altura e uma largura três ou quatro vezes maior. (...) Onde a maioria dos castelos teria um portão frontal, o Mon Magisteria tinha uma cachoeira mais larga que a do caminho que percorriam. (...)Múltiplas torrentes de água despencavam de enormes buracos escuros em linha que subiam direto pela parede do castelo. (...)Uma ponte ligeiramente arqueada sumia dentro da violenta cachoeira branca, mais ou menos na metade da distância acima o fosso. (...)Uma pessoa desprotegida jamais conseguiria passar por baixo sem ser lançada no fosso. Aliás, esse talvez fosse o objetivo.
Além disso, era uma tremenda ostentação”.- Trechos retirados das páginas 84 a 86.

  E diante de tantos acontecimentos, me deparo com uma discussão filosófica dos personagens sobre a preferência dos estilos literários:

– Quanto à história, nós estamos vivendo nas ruínas dela. E quanto às biografias, estamos convivendo com as consequências de todas as decisões que já foram tomadas nelas. Não costumo lê-las por prazer. Não é diferente de examinar com cuidado um mapa quando já chegamos ao destino.
– Mas os romances não são reais, e certamente nunca foram. Isso não tira parte do sabor?”  - Pág.72

Não, Locke... Eu diria que esse é o melhor tempero de todos. ;)
Aguardando ansiosamente pelo terceiro livro!

9 comentários:

  1. Não sabia que Mares de Sangue era uma continuação!
    Fiquei super curiosa com a sinopse e a capa quando foram lançados.
    Vou procurar o primeiro, pois parecem ser muito bons.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
  2. Não sabia que Mares de Sangue era uma continuação!
    Fiquei super curiosa com a sinopse e a capa quando foram lançados.
    Vou procurar o primeiro, pois parecem ser muito bons.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro. Fui dar uma olhada na primeira resenha e gostei, assim como essa.
    Bjim!
    Livreando

    ResponderExcluir
  4. Oi Natalie, tudo bem?

    o livro parece ser uma grande aventura, o que já me deixou animada. Adorei a sua resenha e vou procurar o primeiro livro para poder conhecer essa história

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  5. Poxa, não conhecia essa série, mas esse livro me chamou bastante a atenção.
    Adoro aventura, e ainda mais envolvendo piratas E ladrões.

    Beijos,
    Thiago - Blog GentleGeek

    ResponderExcluir
  6. Fiquei bem animada lendo sua resenha Nathalie, estou com o livro aqui na estante e será minha próxima leitura. Amei o primeiro liro e vejo que vou amar o segundo, ainda mais com esse diálogo sobre estilos literários, surtei *.*

    Beijos
    Vivi

    http://vivianeblood.blogspot.com.br/2014/11/se-ligue-arqueiro-sde-brasil-e-sextante.html

    ResponderExcluir
  7. Ainda não conhecia o livro e, mesmo não tendo lido o primeiro, arrisquei ler a sinopse e a resenha. Parece ser uma história bem interessante, acho que vou conferir :D
    Beijos e ótima semana!

    http://confissoesdeumleitor.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi Nathalie. Adorei a resenha e fiquei louca para ler esse livro. E que capa linda hein! Amei <3 Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oie =)

    LOUCA PARA LER ESTE LIVRO.
    Eu amei o primeiro. Considero a melhor fantasia que li este ano. Super criativo, original.... que livro maravilhoso. E este segundo então? Parece ser tão bom quanto o primeiro. Vou ler em breve, com certeza =)

    Beijos,
    Livy
    No Mundo dos Livros

    ResponderExcluir