terça-feira, 9 de outubro de 2018

Livro: Sem fôlego - Abbi Glines














Sinopse:Sadie White acabou de se mudar com a mãe grávida para a cidade litorânea de Sea Breeze, mas seu emprego de verão não vai ser na praia. Como a mãe dela se recusa a trabalhar, Sadie vai substituí-la como empregada doméstica numa mansão na ilha vizinha.
Quando os donos da casa chegam para as férias, Sadie se depara com ninguém menos que Jax Stone, um dos roqueiros mais desejados do mundo. Se Sadie fosse uma garota normal – se ela não tivesse passado a vida cuidando da mãe e dos afazeres domésticos –, talvez estivesse impressionada com a ideia de trabalhar para um astro do rock. Mas ela não está.
Na verdade, é Jax quem fica atraído por ela. Tudo a respeito de Sadie o fascina, mas ele luta contra esse desejo: relacionamentos nunca funcionam em seu mundo e, por mais que ele queira Sadie, sabe que ela merece algo melhor. Conforme o verão passa, no entanto, essa paixão começa a deixá-lo sem fôlego – e é como se Sadie fosse a única pessoa capaz de lhe devolver o oxigênio.
Será que o amor entre os dois pode superar as diferenças em seus estilos de vida? Jax e Sadie vão precisar respirar fundo e mergulhar nessa relação para descobrir.

Comentando...

 Primeiro livro da nova série de Abbi Glines. Mais uma vez, Glines cria uma lindo lugar fictício para ambientar sua trama, trata-se de Sea Breeze; outro ponto em comum com a série "Rosemary Beach"é que no primeiro volume é explorado o mundo de um astro do rock em contraste com a vida de uma protagonista que nunca viveu esse glamour. Uma diferença notável é que os capítulos não são mais aqueles curtinhos.

 Narração em primeira pessoa com o ponto de vista de Sadie e Jax, sem ser intercalados a cada novo capítulo e sim durante o desenvolvimento da história.

" [...] Como não sabia o que dizer, apenas os entreguei, e a sua expressão se iluminou. Seu rosto se abriu em um sorriso que me fez lembrar as fotos dele quando pequeno. Não era um sorriso que o  mundo podia ver nas revistas" - Página 63/64

"[...] Algo em seus olhos me fez ter vontade de abrir a alma. Eu era madura demais para ficar caidinha por um astro de rock adolescente." - Página 71

 "—  Sadie, eu sempre consegui o que quis. Mesmo antes antes de me tornar rico e famoso, eu tinha o dom de conseguir o que queria. Agora tenho a fama e a fortuna para conseguir o que quero e, pela primeira vez na vida, eu quero algo que não posso ter. - Página 76/77

" [...] Era deprimente o bastante para ser uma tragédia de Shakespeare.A garota que nunca achou que se apaixonaria afinal se apaixona pelo único cara que ela jamais poderá ter. De alguma forma, estar sentada ali comparando a minha vida a uma peça de Shakespeare provava quanto eu havia me apaixonado." - Página 80

   Você é todas as canções que já cantei. Nunca mais vou deixar nada magoar você. Pela primeira vez na vida, meus sonhos não têm a ver comigo" - Página 188

 Jax Stone é daqueles mocinhos bem compreensivos e apaixonantes. Sadie White é daquelas mocinhas altruísta.

   Ótima química entre os personagens. Mas, desta vez, a autora conteve-se em colocar as chamadas cenas "Hots". Há sim, cenas deste estilo no livro. Porém  não tanto comparando-se com qualquer outro volume  de "Rosemay Beach".

"Sem fôlego" tem como protagonista um astro do rock então é claro que o leitor foi presenteado com uma composição do personagem.

Abbi Glines mantêm seu estilo trabalhando com protagonistas jovens, problemáticas reais principalmente por parte da família de Sadie e aquela dose certeira de romance.

domingo, 23 de setembro de 2018

Assisto ou Desisto: A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata


















Sinopse: Juliet Ashton (Lily James) é uma escritora na Londres de 1946 que decide visitar Guernsey, uma das Ilhas do Canal invadidas pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, depois que ela recebe uma carta de um fazendeiro contando sobre como um clube do livro local foi fundado durante a guerra. Lá ela constrói profundos relacionamentos com os moradores da ilha e decide escrever um livro sobre as experiências deles na guerra.

Comentando...

 Antes que pensem ( Não, não estou obcecada por filmes que se passam durante ou Pós Segunda Guerra Mundial). Contudo,  este já é o terceiro filme que vejo no ano que passa-se nesta época que é daqueles que entram na lista do "PRECISO  resenhar".

 Mais uma adaptação de livro para as telas da Netflix. É demostrado as dores, perdas e consequências  do triste período que contempla Segunda Guerra; entretanto o foco do filme é o verdadeiro poder da leitura e isso é o que o torna tão delicado.

 Para começar a protagonista é uma escritora então ela tem a paixão pela leitura. No meio de tanta tristeza, os moradores da pequena ilha de Guernsy conseguem encontrar aquele toque de alegria e amizade, apesar das diferenças. Tudo isso por causa do conforto que as palavras de um livro são capazes de trazer. 

  Outro elemento importantíssimo que amo: cartas. A jornada de Juliet inicia-se ao receber uma carta de um desconhecido, explicando que adquiriu um livro e viu em seu interior escrito  o nome dela e endereço. Esta é a primeira carta que desperta um interesse em Juliet pois o remetente pede o endereço de alguma loja onde tenha o livro que procura. Desta forma, ela envia o livro e pede algumas respostas. Assim, conhece a "A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata" e em sua empolgação resolve visitar a tal ilha. 


É envolvente a forma dos acontecimentos pois há um toque de mistério sobre a personagem Elizabeth que é revelado ao longo do filme.

A empolgação que o clube tem em ler cada livro, comentar sobre personagens, detalhes da narração... faz você querer fazer parte da Sociedade ali criada.

Todos os personagens tem um papel relevante no enredo; atores muito bem escolhidos e ambientação daquelas que te transporta para outro lugar e outro tempo.

Frases favoritas:

" Caro, Sr. Adams que bom sua carta me encontrou, e o meu livro a você. [...] Talvez os livros tenham um instinto secreto que os leve até os leitores perfeitos.Seria tão bom se fosse verdade! [...]"

"Nos conhecíamos, mas não muito bem.Era Elizabeth que tínhamos em comum. E, por algumas horas, ela nos aproximou, nos ajudou a esquecer a ocupação, os alemãs, a guerra, tudo o que perdêramos, e a lembrar da nossa humanidade."

"O clube de leitura virou nosso refúgio.É uma liberdade particular sentir o mundo escurecer à sua volta e precisar só de velas para vislumbrar novos mundos.Foi o que encontramos na nossa sociedade.Mas não preciso lhe dizer isso. Você já sabe do que os livros são capazes.Temos isso em comum... mesmo tendo vidas diferentes."

"Caro Sr. Adams, os livros também foram meu refúgio.[...] no mundo dos livros que fiz meu lar. Eles me salvaram, Com certeza."

Definitivamente, um filme sensível e que merece ser assistido se você é apaixonada por livros:

domingo, 16 de setembro de 2018

Livro: Restaura-me - Tahereh Mafi

Sinopse: A história de Juliette e Warner continua no eletrizante novo volume da série Estilhaça-me, de Tahereh Mafi, autora best-seller do The New York Times. 

Juliette Ferrars acreditava ter vencido. Assumiu o controle do Setor 45, foi nomeada nova Comandante Suprema da América do Norte e agora conta com Warner ao seu lado. No entanto, quando a tragédia se instala, Juliette precisa confrontar a escuridão que existe tanto à sua volta quanto em seu interior. 
Em que ela se transformará diante da adversidade? Será Juliette capaz de controlar seu poder e usá-lo para o bem?

Comentando...

 Inicialmente, tratava-se de uma trilogia distópica mas para o delírio dos fãs a autora continuou e haverá juntamente com esta, três obras da saga publicadas  pela editora Universo dos Livros. Os volumes são sequenciais e para quem ainda não conhece, deixo o link das resenhas dos livros anteriores:


 Alguns leitores podem ter ficado ,inicialmente, com aquele medo que a continuação fosse "mais do mesmo".Entretanto, a brilhante  Tahereh Mafi novamente demonstra todo seu poder de segredos; a narração em primeira pessoa solidificando toda angustia de Juliette e ainda tem a narração de Warner. 

 Mafi prova que este livro com toda certeza deveria ser escrito, o leitor consegue desvendar mais sobre os passado dos protagonistas além da entrada de novos personagens e desenvolvimento daqueles que já eram conhecidos dos demais livros.

" [...] Em vez disso, os líderes do mundo deixaram clara a nossa insignificância: estão nos ignorando como ignorariam uma mosca, prendendo-nos debaixo de um copo onde ficamos livres para zumbir quando quisermos, para bater nossas asas quebradas nas paredes somente pelo tempo que o oxigênio durar. [...]" - Página 15

" [...] Mas o fogo do verdadeiro ódio, percebo, não pode existir sem o oxigênio da afeição. [...]" - Página 22

" Sinto um enorme medo de me afogar no oceano do meu próprio silêncio." - Página 77 

"[...]Meu passado ainda está grudado em mim, mãos de esqueleto me puxando para trás mesmo enquanto eu me impulsiono em direção a luz. [...]" - Página 136

"[...] Juliette nunca viveu em nenhum lugar que não seus livros e suas lembranças." - Página 143

"Especialmente nesses momentos silenciosos, vulneráveis.Essas pausas que habitam entre sonhos e realidade são minhas favoritas.
 Há uma graça nessa consciência hesitante, um retorno cuidadoso e gentil ao nosso jeito de funcionar.Descobri que amo esses minutos pela forma delicada como se desenrolam. São tenros." - Página 216

"[...] A frustração de tanto poder, tanto poder, e me sentir tão completamente impotente," - Página 333

Mesmo com a forte carga dramática há romance e pinceladas de humor.

Algo que admiro na autora é seu poder de captar emoção com suas palavras, principalmente nos já conhecidos "Diários de Juliette no hospício" que em determinada parte, alguns trechos deste diário são inseridos no início de cada capítulo:


"[...]Corra de olhos abertos e boca fechada e represe o rio que corre por trás de seus olhos.[...]" - Página 234

Página 278 e um pedaço da 279 Juliette retrata a solidão que sentia. Não consegui extrair apenas uma passagem. Então, destaco estas páginas em especial.

Edição muito bem feita tanto a capa quanto a diagramação.

 Sabe aquela leitura que você tenta prolongar ao máximo principalmente nas partes finais porque você não quer terminar logo ? "Restaura-me" causa exatamente isto. Aquela divergência de emoções: A curiosidade/ansiedade ao virar de cada página e a angustia por saber que o livro está finalizando e você quer mais e mais....

 Estou ansiosa para o próximo volume. Querendo apenas mais, mais e mais....

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Livro: Mais Lindo Que A Lua - Julia Quinn












Sinopse: Foi amor à primeira vista. Mas Victoria Lyndon era a filha do vigário, e Robert Kemble, o elegante conde de Macclesfield. Foi o que bastou para os pais dos dois serem contra a união. Assim, quando o plano de fuga dos jovens deu errado, todos acreditaram que foi melhor assim.
Sete anos depois, quando Robert encontra Victoria por acaso, não consegue acreditar no que acontece: a garota que um dia destruiu seus sonhos ainda o deixa sem fôlego. E Victoria também logo vê que continua impossível resistir aos encantos dele. Mas como ela poderia dar uma segunda chance ao homem que lhe prometeu casamento e depois
despedaçou suas esperanças?
Então, quando Robert lhe oferece um emprego um tanto incomum – ser sua amante –, Victoria não aceita, incapaz de sacrificar a dignidade, mesmo por ele. Mas Robert promete que Victoria será dele, não importa o que tenha que fazer. Depois de tantas mágoas, será que esses dois corações maltratados algum dia serão capazes de perdoar e permitir que o amor cure suas feridas?


Comentando...

 Para mim, livros da autora Julia Quinn dispensa sinopse. Quando vejo algum lançamento da autora ,automaticamente, já quero ler/ter na minha estante.

 " Mais Lindo Que A Lua" a autora aborda a questão do amor à primeira vista e logo no início da leitura Quinn escreve uma carta ao leitor que esclarece sobre o processo desta escrita.

 O livro aborda dois tempos: A fase em que Robert e Victoria (Torie - forma carinhosa que Robert a apelidou) se conhecem:

"— Eu sei. Em minha mente, entendo que a vi pela primeira vez há dez minutos, mas meu coração a conhece desde sempre. E minha alma também." - Página 14

"Eles tinham tudo - e o ao mesmo tempo nada - em comum.
Encontraram suas almas um no outro e compartilhavam segredos e pensamentos que até então não podiam expressar. " - Página 23

E sete anos depois, quando pelo destino os protagonistas reencontram-se:

— Mas eu nunca fingi ser bom e sincero.Nunca fingi ser o rapaz dos sonhos. - Ele se inclinou para a frente e acariciou o rosto dela com as costas da mão.Seu toque era frio e suave. — Nunca fingi ser um anjo." -Página 54

"Seria mesmo possível amar e odiar ao mesmo tempo?Robert sempre ridicularizou essa possibilidade, mas agora já não tinha tanta certeza. [...]" - Página 86

"No fundo de seu coração, Victoria sabia que Robert tinha o poder de fazê-la feliz além de seus maiores sonhos. Mas também tinha o poder de destruir seu coração. E ele já havia feito isso uma vez... Não, duas vezes." -Página 148

 Victoria é uma personagem decidida assim como Robert, ambos carregam ressentimentos. Porém, ela é a mais relutante ao abrir o coração novamente. Fato este que dá mais trama para o livro. Assim que Robert a encontra, ele está frio, extremamente magoado e quer fazê-la sentir-se da mesma forma. Quando a verdade do que os separou é revelada ele usará todos os meios possíveis para reconquistá-la.  

Destaque para tia do Robert e sua prima Harriet que participam de uma cena hilária onde muitos chás são servidos para "acalmar os ânimos".

Toques de romance, mal entendidos e humor permeiam essa bela obra de Julia Quinn. Deixando no coração o desejo de quem sabe um dia, ser presenteado com um amor à primeira vista.

domingo, 26 de agosto de 2018

Assisto ou Desisto: Suíte Francesa

Sinopse: Durante a Segunda Guerra Mundial, na França, Lucile Angellier (Michelle Williams) passa os dias junto de sua sogra (Kristin Scott Thomas) esperando pelo retorno do marido, um prisioneiro de guerra. Enquanto alguns combatentes franceses retornam para a casa, o pequeno vilarejo onde Lucile mora começa a ser invadido por soldados alemães, incluindo o refinado Bruno von Falk (Matthias Schoenaearts). Apesar de resistir aos flertes do soldado, Lucile acaba cedendo e inicia uma relação amorosa com ele.

Comentando...

Filme do ano de 2014, desde ano passado estava na minha lista da Netflix  e este mês finalmente vi. "Suíte Francesa" é carregado de uma forte carga dramática com um toque de romance. Apresentando ótimas atuações e ambientação que retratam bem as tristezas ocorridas durante a Segunda Guerra Mundial.O pânico gerado em toda a população desde pobres até ricos ao avistar um avião de combate, a perda de entes queridos, o medo por toda parte...

 Indo mais além, mostra o conflito interno vivido pela personagem Lucile ao se apaixonar por alguém que teoricamente é seu inimigo. Contudo, é mostrado que o tenente Bruno Von Falk não está no exército porque gosta e diversas ações foram ordens que senão cumprisse ele acabaria morto. 

— Eu era compositor antes da guerra."

É retratado que havia alemãs ruins de má índole entretanto havia pessoas boas. Assim como do lado de Paris haviam pessoas boas e também as mesquinhas como a esposa do Visconde/Prefeito.

A parte do romance é relativamente rápida devido ao medo e a lealdade de Lucile ao seu povo. Contudo, mesmo durante esses breves momentos foi possível captar a paixão entre os protagonistas:

— Não suportaria pensar que me odeia."

— Vamos nos ver novamente. Não estarei como soldado. Você nem me reconhecerá."

Diálogo favorito :
— Tenha cuidado.Com sua vida."
  — Ela é preciosa para você?
  — É. É preciosa para mim."


E ao final tem uma parte da narrativa que é minha preferida apesar de dar um aperto no coração. Não posso revelar se não será spoiler

 Destaque:  Baseado no livro "Suíte Francesa" escrito em segredo durante a Guerra e nunca concluído.É inusitado e admirável saber que a escritora Iréne Mémirovsky era judia e mesmo assim escreveu uma personagem apaixonada por um alemão; mostrando que a etnia não faz nenhuma pessoa superior a outra e que a raça não define se alguém é mau ou bom. Infelizmente, Iréne foi presa e faleceu em Auschwitz. Sua obra foi descoberta muitos anos depois por sua filha. Publicada em 2004 tornou-se um Best Seller. Os créditos finais do filme conta estes detalhes e mostram páginas do original. 

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Livro: Palácio De Mentiras - Erin Watt













Sinopse:  Antes inimigos mortais a aliados improváveis, dois adolescentes tentam proteger tudo o que mais importa para eles. Ella Harper foi capaz de superar cada um dos obstáculos que surgiram em seu caminho. Forte e resiliente, ela está disposta a fazer o que for preciso para defender as pessoas que ama. [...]
Reed Royal tem um temperamento afiado e punhos ágeis. Mas sua habilidade para resolver problemas com violência já não é mais o bastante. Se ele quiser salvar a si mesmo e a sua garota, ele terá que superar o passado e sua reputação manchada.
Ella precisa ser forte para lidar com os Royal... isso se Reed não destruir sua própria família antes.


Comentando...

 O desfecho da história de Ella Harper e Reed Royal chega no tão aguardado título "Palácio de Mentiras". (Os outros volumes estão também resenhados aqui no blog; e todas resenhas SEM spoiler).


 Mais uma vez, as autoras optaram por colocar a narrativa com o ponto de vista de cada um dos dois protagonistas. O que foi ótimo porque enquanto estava acontecendo algo importante com um dos personagens; o leitor pode acompanhar o que se passava com outro. 

"[...] Ela estava com uma expressão diferente no rosto. Não consigo nem ao menos descrever. Não de dúvida, mas talvez de apreensão. Com um toque de tristeza também." - Página 62

"Os olhos dele ficam sombrios, o que, combinado com a camisa para fora da calça e o blazer azul desbotado, dão a ele um ar de bad boy. Eu nunca me senti atraída por meninos do tipo bad boy antes de conhecer Reed, mas nele acho meio irresistível." - Página 70

Houve um crescimento pessoal de todos os personagens e fácil notar isso ao ler seus sentimentos e ações.

" [...] A casa  é ridiculamente grande, ridiculamente bonita, mas todo mundo dentro dela é muito problemático. Inclusive eu.
 Acho que sou mesmo uma Royal." - Página 15

"Quando entro correndo no quarto a visão da mala cara de couro me parece uma tentação. Eu poderia pegá-la e ir embora. Deixar essa família estranha para trás [...]" - Página 164

"[...] O preço de guardar esses segredos é um pouco da minha liberdade. [...] Eu posso sobreviver a isso. [...]" - Página 271

  A amizade de Ella com Val é bem construída nas narrações, ações e diálogos. A melhor amiga da protagonista não é colocada "de lado" e participa ativamente de todo livro.

"[...] Minha garganta se aperta de repente. Eu nunca tive uma amiga de verdade, e agora parece que ganhei na loteria dos amigos." -Página 213

 Romance, mistério e uma das principais características desta série se mantêm: As reviravoltas  e grandes segredos revelados (Dignos de novelas mexicanas daquelas que prendem atenção).

" [...] —Os Royals são como a maçã no conto de fadas. [...]" - Página 288

"[...] Atrás de nós , está o passado atormentado e terrível. À nossa frente, está nosso futuro imaculado.
 Eu não vou mais olhar para trás." - Página 363

A diagramação está muito bem feita, no início de cada capítulo tem a arte do portão representado na capa que por sinal, está linda e é muito representativa pelo enredo abordado.

Quem já leu e gostou dos outros volumes da série The Royals certamente não se decepcionará.

"Palácio de Mentiras" tem uma final "fechado". Mas, já há novidades da série; está em pré-venda o lançamento "Herdeiro caído" que é um Spin-off de The Royals cujo o foco é o polêmico personagem Easton Royal.