sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Livro: Seduzida por um Highlander - Maya Banks

SinopseBravamente leal ao irmão mais velho, Alaric McCabe lidera o clã na luta por seus direitos e agora está pronto para se casar por dever. Porém, na viagem para pedir a mão de Rionna McDonald, filha do laird vizinho, uma emboscada é armada e Alaric é deixado para morrer. Milagrosamente, sua vida é salva pelo toque suave de um anjo das Terras Altas, uma beldade corajosa que colocará à prova a lealdade dele ao clã, a própria honra e os desejos mais profundos. Exilada de seu clã, Keeley McDonald foi traída por aqueles que amava e confiava. Quando o guerreiro ferido cai do cavalo, ela é seduzida por aquele corpo forte e esguio. O brilho misterioso nos olhos dele acende uma paixão que os seguirá de volta para o castelo de Alaric, onde o amor proibido afogará ambos nos prazeres da carne. Entretanto, à medida que a conspiração e o perigo se aproximam, Alaric precisa tomar uma decisão impossível: trairá seus laços sanguíneos em favor da mulher que ama?

Comentando...
 Segundo volume da chamada trilogia dos "Irmãos McCabe". Cada livro foca em um irmão da família. Dá sim para ler separadamente, contudo se o leitor fizer isso vai perder certos pontos importantes de toda a saga.

  Destinado ao público adulto "Seduzida por um Highlander" possui 353 páginas que abordam amizade, paixão, disputa por poder entre os clãs, crueldade, sacrifício e A questão escolher o amor verdadeiro ou o dever com a família?


— Suas palavras são tão doces, mas pesadas para meus ouvidos. Levo-as para meu coração e me sinto completa com alegria e desejo ao mesmo tempo e ainda percebo o quanto esses sentimentos são inúteis . [...]"

 Personagens bem estruturados; a protagonista Keeley McDonald apesar de todo sofrimento acarretado pelo seu passado é uma mulher gentil e forte para enfrentar os desafios que a vida lhe impõe.


"[...] Qualquer que fosse o caso, Keeley decidiu que iria aproveitar seus sonhos. Mesmo que fossem tolos e uma perda de tempo. Às vezes, eles eram tudo que a sustentavam. - Página 33

"[...] Muita coisa na vida dela havia sido além de seu controle e, por muito tempo, ela não teve escolha em seu destino." - Página 50

"[...] e ela descobriu que não doía tanto sorrir." - Página 310

 Sua jornada no livro, inicia ao ajudar um guerreiro desconhecido que é nada mais nada menos que Alaric McCabe.


" [...] Era a única ilusão de prazer que ele tinha, apesar de não saber como conseguia sentir o fogo do inferno e o prazer mais gentil anjo. Talvez ele estivesse entre dois mundos e era como se ainda estivesse em dúvida de qual direção iria tomar."  - Página 27

Banks sabe transmitir bem em suas palavras os sentimentos de cada personagem:


" [...] Ela amava a água. Absorvia o humor e os caprichos da natureza e os lançava na superfície para todos verem. Isso era libertador. Não fingir. Não se esconder. Só um reflexo do que fervilhava logo abaixo da superfície." - Página 269

 Neste livro fica mais evidente as diferenças e características que tornam cada um dos irmãos McCabe únicos. Ewan o mais velho que procura responsabilizar-se por tudo; Alaric dá grande valor a família e Caelen desconfia de todos entretanto, assim como os irmãos, tem um nobre coração. E sempre ao ler sobre este personagem sinto aquele ar zombeteiro tentando esconder uma profunda tristeza.

 O amor de Alaric e  Keeley é daqueles avassaladores com direito a muito drama e expectativa para que o casal consiga vencer todas as adversidades. Quem gosta de um romance assim, tem que ler.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Assisto ou Desisto: Mary Shelley

Sinopse: Mary Wollstonecraft Godwin tinha só 16 anos quando quis viver um amor e se tornou Mary Shelly, a feminista ferrenha que escreveu Frankenstein .

Comentando...

Admito antes de ver esse filme nunca tive Aquela vontade de ler o famoso  clássico. 
Entretanto, ele agora pertence a minha lista de Livros Desejados. Mas a versão contendo o texto integral Frankenstein  ou o Prometeu Moderno".

 Trata-se de um filme biográfico mas claro com toques de ficção em que conta a história da autora Mary Shelly. Eu não sei quanto a vocês, porém, eu não sabia que "Frankenstein" havia sido escrito por uma mulher e isso ao meu ver valoriza ainda mais a obra, visto que inicialmente foi publicada em 1918 com autoria anônima pois não queriam que uma mulher "desconhecida" e com má reputação pela Sociedade tivesse seu nome associado com uma história de terror; a publicação foi um grande sucesso e revolucionária. A partir de sua segunda edição já colocaram o nome da autora. Ela escreveu quando tinha apenas 18 anos.


 O filme captou minha atenção desde início ao fim.  A escolha do elenco é ótima, além das atuações transmitirem toda emoção, destaco a caracterização física  dos personagens que assemelham-se aos verdadeiros como o poeta Lord Byron e Percy Shelly. (Fiz a comparação pelos desenhos ou pinturas da época).

 Ao assistir "Mary Shelly" NÃO espere um romance romântico e sim um romance com uma pesada carga dramática. 


 É extremamente interessante ver a forma que o longa-metragem capta todos os fatos  vivenciados pela autora e explica cada ponto como sendo sua inspiração ao criar sua obra mais conhecida "Frankenstein  ou o Prometeu Moderno" que atravessou gerações. 


 Além da crítica do papel da mulher perante a Sociedade da época, é retratado a dificuldade de publicação caso o autor não seja conhecido (Algo que existe até hoje, infelizmente), nem tudo que um autor renomado publica é de fato uma grande obra (Editoras publicam pelo nome do autor já ser um sucesso) entre outras singularidades que o filme aborda.


 Poderia escrever muitos parágrafos sobre cada detalhe mas não vou dar spoiler.Então, posso afirmar que definitivamente "Marry Shelley" é um filme marcante e que recomendo para quem assim como eu gosta de filmes de época e mais do que isso, tem o fascínio por conhecer a vida do autor.  Veredito final: Assisto.


Nota: "Mary Shelley " está disponível na Netflix.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Livro: A Casa da Praia - Beth Reekles













Sinopse: Quem disse que a história de Elle e Noah acabou? Para a sorte de todos nós, que amamos A Barraca do Beijo, Beth Reeckles decidiu contar mais um pouco da história deles. Namorar o maior bad boy da escola jamais esteve nos planos de ELLE EVANS, mas aconteceu. Porém, isso teve um preço. Sua amizade com LEE FLYNN foi colocada à prova e ela teve que rever suas prioridades e abrir o jogo de uma vez por todas sobre o seu relacionamento secreto com NOAH FLYNN. Pode parecer um sonho finalmente conquistar o crush eterno de uma vida, mas uma hora o ensino médio vai acabar e Noah começará a faculdade. Entre fogos de artifício e confusões na praia durante as férias de verão, Elle e Noah precisam decidir qual será o futuro de seu relacionamento. Afinal, as coisas nunca mais serão as mesmas, nem mesmo na casa da praia.

Comentando...

Este livro é a continuação tão aguardada de "A Barraca Do Beijo". Neste volume, Elle, Lee e Noah vão passar as férias na casa de praia que já é uma tradição familiar. Contudo, esse ano, as coisas serão um pouco diferentes, já que Elle é oficialmente namorada de Noah; este está prestes a ir para faculdade e Lee também trará a namorada para passar algum tempo com ele.

"A Casa de Praia" poderia facilmente ser adaptada como o segundo filme dando sequência ao sucesso "A Barraca do Beijo" mas algumas alterações seriam essências visto que no livro Noah ainda não decidiu se vai ficar na faculdade e como vai ser seu relacionamento com Elle no futuro.Fato que está bem delimitado ao final do filme. E percebe-se algumas passagens que resolveram colocar de outra forma no filme fazendo referência a este volume. (Não vou revelar as referências para vocês lerem e descobrirem).

Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Elle, o livro continua com uma linguagem simples e que facilmente capta a atenção. Uma leitura bem leve que faz o leitor desejar fortemente estar na Casa de Praia. Contudo, confesso a autora bem que poderia descrever com mais detalhes as cenas de Noah com Elle. Ao meu ver, ficaram bem rápidas. E sejamos honestos, quem é que não gosta de ter detalhes quando o casal que a gente torce está junto?

O grande ponto demonstrado pela autora é que depois desse verão as coisas não serão mais as mesmas, por mais que Elle deseje isso de todo o coração, há fases da vida que não pode-se parar no tempo.E a casa da praia representa esse porto seguro da protagonista. É algo concreto e ao mesmo tempo simbólico.


" [...] Porque lá, com o mar e a areia e sem ninguém mais perto. nenhum de nós se importava com o que as outras pessoas pensavam.Era como se o verão na casa de praia significasse que tudo era diferente diferente da melhor maneira possível." - Página 10-11

"Os verões da casa de praia deviam sempre acontecer com todos nós juntos, aproveitando o tempo sem termos que nos preocupar com o dia longe dali, simplesmente nos divertindo. Os verões da casa da praia não devia ser interrompidos antes da hora por viagens até o campus da faculdade. Tudo aquilo parecia errado, adulto demais." - Página 108

 A editora Astral Cultural foi a primeira no mundo a publicar a edição física de "A Casa da Praia" então os leitores do Brasil  só tem que agradecer pelo comprometimento com as continuações.Logo na primeira página, Beth Reekles deixa uma dedicatória especial aos fãs brasileiros. A capa ficou bem fofa captando bem a essência que a leitura proporciona. 

E claro, como tudo que é bom, fica o pedido de mais livros envolvendo estes queridos personagens pois, a história não tem desfecho e sim muitos ganchos para as continuações.

sábado, 3 de novembro de 2018

Livro: Crash - Nicole Williams














Sinopse: Para a adolescente Lucy, nada é mais importante que o balé. A dança a transporta para um mundo onde a dor, as lembranças ruins e a violência não existem. Um mundo só dela. Um dia, porém, aquela garota certinha é obrigada a mudar de escola. E é nesse novo ambiente, repleto de descobertas e inseguranças, que conhece um garoto que só usa cinza e vive com uma toca de lã na cabeça. Jude, o maior bad boy da escola, é lindo e seria o sonho de toda garota, e talvez até o genro que todo pai pediu a Deus... se não tivesse sido preso várias vezes e não morasse num abrigo para garotos desajustados. Lucy não liga para a opinião dos outros- o mais importante é o que Jude sente por ela. E o rapaz parece disposto a abrir seu coração, ainda que um segredo que assombra o passado e o presente dos dois esteja prestes a estraçalhar essa paixão.

Comentando...

Confesso que ao ver a capa deste livro logo chamou a atenção. Contudo, o estopim que me fez desejar tanto ter "Crash" na minha coleção literária foi saber que o nome dos protagonistas foram dados em homenagem à determinadas canções do grande ícone musical The Beatles. A protagonista Lucy refere-se a música "Lucy in the sky with diamonds" e Jude por causa de "Hey Jude".

Um Young-Adult pela idade dos protagonistas porém as problemáticas abordadas são características mais do gênero "New Adult".

Contado em primeira pessoa sob a perspectiva de Lucy - uma linda jovem, corajosa e romântica.


" — Tá bom, tá bom. Eu sei que as mulheres estão dominando o mundo, mas eu ainda sou antiga para algumas coisas. [...] Acredito que deva ser o homem a tomar iniciativa com uma garota. [...]" - Página 12

                              " [...] Mas eu precisava continuar dançando.

Isso era a única coisa que me mantinha com a cabeça fora d` água quando eu  sentia que estava me afogando. A única que me fazia sobreviver ao dias  sombrios. A que que ainda me recebia de braços abertos  correspondia ao meu amor. A única coisa que não havia mudado em minha vida. " - Página 27

" [...] Na maior parte dos dias, conseguia enterrar minhas inseguranças e meu  passado horrível debaixo de muita atitude e temperamento.Dias como o de hoje me lembravam como eu era frágil. Como minha armadura supostamente forte podia ser facilmente perfurada pela pessoa errada  munidas das palavras certas." - Página 63

" [...] descobri que a dança não só disfarçava a dor, mas a curava. O balé me salvou de um jeito único. como meus pais, médicos e até eu mesma não teríamos conseguido. [...]"  - Página 143
Jude é aquele famoso bad-boy que a autora soube dar a profundidade no seu herói.

"—  [...] Não, Luce. Você olha para mim e me vê. —  Ele sorriu. —  Nem me lembro da última vez que isso aconteceu. - Página 79

Para quem lê MUITO pode achar que trata-se de uma leitura clichê. Entretanto, não se engane. Williams sabe trabalhar muito bem com cada personagem desde protagonistas aos secundários, como a mãe e o pai de Lucy. Versa elementos psicológicos do passado até o momento presente. E provoca a sede de leitura ao deixar no ar os segredos dos protagonistas que são revelados ao longo do enredo.


" [...] A única maneira de saber se Jude Ryder partiria meu coração
era abri-lo para ele.
A epifania deveria ser mais assustadora do que era. [...]" - Página 98

Nicole tem costume de um capítulo para outro mudar a ambientação ou passagem de tempo na história . Não há aquela descrição detalhada e sim diversos acontecimentos que regem a trama. Williams carrega um certo toque de sensibilidade ao tratar cada problemática fato essencial para tornar Crash uma leitura especial.

A diagramação está muito bem feita e delicada contendo elementos como a sapatilha ou uma fita formando um coração no encerramento de capítulos os passagens.

Para finalizar a resenha, deixo um trecho da canção "Hey Jude" tão significativa para esta leitura:


  Hey Jude
Hey, Jude, don't make it bad
Take a sad song and make it better
Remember to let her into your heart
Then you can start to make it better

Hey, Jude, don't be afraid
You were made to go out and get her
The minute you let her under your skin
Then you begin to make it better

And anytime you feel the pain
Hey, Jude, refrain

Don't carry the world upon your shoulders

[...]
Composição: John Lennon / Paul McCartney

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Música: There's No Way

             Sabe aquela canção que é verdadeiro amor desde ouvi-la, pela primeira vez ?

    Então,"There's No Way" cantado por Lauv e Julia Michaels é  exatamente este tipo de música. Fica a dica e a seguir, letra traduzida e depois, link do clipe:

                                                                Não há como

Você me toca e é quase como se soubéssemos
Que existiria história entre nós dois
Nós sabíamos que um dia teríamos arrependimentos
Mas apenas os ignoramos na noite em que nos conhecemos
Só estamos dançando de costas um para o outro
Tentando manter nossos sentimentos em segredo
Você me toca e é quase como se soubéssemos
Que existiria história

Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando
Mas não há como isso não acontecer
Cada segundo com você, me faz querer mais
Mas talvez a gente possa esperar um pouco
Assim podemos manter essa tensão sob controle
Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando

Eu queria poder fazer o tempo parar
Assim, poderíamos esquecer tudo e todos
Eu gostaria que o tempo se alinhasse
Assim, poderíamos ceder ao que queremos
Porque quando eu tenho alguém, você não tem
E quando você tem alguém, eu não tenho
Eu gostaria que o tempo se alinhasse
Assim, poderíamos ceder

Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando
Mas não há como isso não acontecer
Cada segundo com você, me faz querer mais
Mas talvez a gente possa esperar um pouco
Assim podemos manter essa tensão sob controle
Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando

Só estamos dançando de costas um para o outro
Tentando manter nossos sentimentos em segredo
Só estamos dançando de costas um para o outro
Tentando manter nossos sentimentos em segredo

Você me toca e é quase como se soubéssemos
Que existiria história

Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando
Mas não há como isso não acontecer
Cada segundo com você, me faz querer mais
Mas talvez a gente possa esperar um pouco
Assim podemos manter essa tensão sob controle
Mas não há como isso não acontecer
Com a forma em que estamos nos olhando

Continuamos dançando um contra o outro
Continuamos dançando um contra o outro

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Livro: Sem fôlego - Abbi Glines














Sinopse:Sadie White acabou de se mudar com a mãe grávida para a cidade litorânea de Sea Breeze, mas seu emprego de verão não vai ser na praia. Como a mãe dela se recusa a trabalhar, Sadie vai substituí-la como empregada doméstica numa mansão na ilha vizinha.
Quando os donos da casa chegam para as férias, Sadie se depara com ninguém menos que Jax Stone, um dos roqueiros mais desejados do mundo. Se Sadie fosse uma garota normal – se ela não tivesse passado a vida cuidando da mãe e dos afazeres domésticos –, talvez estivesse impressionada com a ideia de trabalhar para um astro do rock. Mas ela não está.
Na verdade, é Jax quem fica atraído por ela. Tudo a respeito de Sadie o fascina, mas ele luta contra esse desejo: relacionamentos nunca funcionam em seu mundo e, por mais que ele queira Sadie, sabe que ela merece algo melhor. Conforme o verão passa, no entanto, essa paixão começa a deixá-lo sem fôlego – e é como se Sadie fosse a única pessoa capaz de lhe devolver o oxigênio.
Será que o amor entre os dois pode superar as diferenças em seus estilos de vida? Jax e Sadie vão precisar respirar fundo e mergulhar nessa relação para descobrir.

Comentando...

 Primeiro livro da nova série de Abbi Glines. Mais uma vez, Glines cria uma lindo lugar fictício para ambientar sua trama, trata-se de Sea Breeze; outro ponto em comum com a série "Rosemary Beach"é que no primeiro volume é explorado o mundo de um astro do rock em contraste com a vida de uma protagonista que nunca viveu esse glamour. Uma diferença notável é que os capítulos não são mais aqueles curtinhos.

 Narração em primeira pessoa com o ponto de vista de Sadie e Jax, sem ser intercalados a cada novo capítulo e sim durante o desenvolvimento da história.

" [...] Como não sabia o que dizer, apenas os entreguei, e a sua expressão se iluminou. Seu rosto se abriu em um sorriso que me fez lembrar as fotos dele quando pequeno. Não era um sorriso que o  mundo podia ver nas revistas" - Página 63/64

"[...] Algo em seus olhos me fez ter vontade de abrir a alma. Eu era madura demais para ficar caidinha por um astro de rock adolescente." - Página 71

 "—  Sadie, eu sempre consegui o que quis. Mesmo antes antes de me tornar rico e famoso, eu tinha o dom de conseguir o que queria. Agora tenho a fama e a fortuna para conseguir o que quero e, pela primeira vez na vida, eu quero algo que não posso ter. - Página 76/77

" [...] Era deprimente o bastante para ser uma tragédia de Shakespeare.A garota que nunca achou que se apaixonaria afinal se apaixona pelo único cara que ela jamais poderá ter. De alguma forma, estar sentada ali comparando a minha vida a uma peça de Shakespeare provava quanto eu havia me apaixonado." - Página 80

   Você é todas as canções que já cantei. Nunca mais vou deixar nada magoar você. Pela primeira vez na vida, meus sonhos não têm a ver comigo" - Página 188

 Jax Stone é daqueles mocinhos bem compreensivos e apaixonantes. Sadie White é daquelas mocinhas altruísta.

   Ótima química entre os personagens. Mas, desta vez, a autora conteve-se em colocar as chamadas cenas "Hots". Há sim, cenas deste estilo no livro. Porém  não tanto comparando-se com qualquer outro volume  de "Rosemay Beach".

"Sem fôlego" tem como protagonista um astro do rock então é claro que o leitor foi presenteado com uma composição do personagem.

Abbi Glines mantêm seu estilo trabalhando com protagonistas jovens, problemáticas reais principalmente por parte da família de Sadie e aquela dose certeira de romance.