quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Livro: Uma Noiva para Winterborne - Lisa Kleypas
















Sinopse:  Rhys Winterborne conquistou uma fortuna incalculável graças a sua ambição ferrenha. Filho de comerciante, ele se acostumou a conseguir exatamente o que quer – nos negócios e em tudo mais. No momento em que conhece a tímida aristocrata lady Helen Ravenel, decide que ela será sua. Se for preciso macular a honra dela para garantir que se case com ele, melhor ainda. Apesar de sua inocência, a sedução perseverante de Rhys desperta em Helen uma intensa e mútua paixão. Só que Rhys tem muitos inimigos que conspiram contra os dois. Além disso, Helen guarda um segredo sombrio que poderá separá-los para sempre. Os riscos ao amor deles são inimagináveis, mas a recompensa é uma vida inteira de felicidade. Com uma trama recheada de diálogos bem-humorados e cenas sensuais e românticas, Uma noiva para Winterborne é o segundo volume da coleção Os Ravenels.

Comentando...

Aye! Inicio essa resenha, com a expressão que o querido personagem Winterborne utiliza diversas e diversas vezes ao longo do livro. ( Por enquanto ele é meu protagonista favorito dos Ravenels, assim como Helen).


" Contudo havia algo mais em relação a ele...um encanto mais poderoso do que qualquer outro.Acontecia nos raros momentos em que o Sr. Winterborne mostrava ternura por ela, quando parecia que o esconderijo de tristeza trancado no fundo do coração dela estava prestes a abir. Ele era a única pessoa que já havia se aproximado daquele lugar secreto - e que talvez, algum dia, conseguisse acabar com a solidão que Helen sempre guardava dentro de si, " - Página 29

" [...] Sem sequer tentar, ela fizera brotar algo nele, uma ternura que ele nunca mostrara por ninguém. [...]" - Página 64

 Para quem esperava um início morno e talvez contemplado pela tristeza, prepare-se pois lady Helen correrá atrás da sua felicidade e prova ser uma heroína destemida quando necessário. 

 Lisa também enfoca nos problemas socais da época, como era valorizado o título de nobreza que muitos estavam falidos e endividados mas eram valorizados; e o preconceito com a classe do proletariado e com as mulheres.

 A trama tem segredos a serem revelados que admito me deu tanta agonia que comecei a virar as páginas desesperadamente para ver se o problema tinha solução, mesmo que no fundo eu soubesse da realidade. Depois voltei a ler cada página com calma.

" [...] Ele sempre tinha a impressão de que ela guardava algo, como se algumas partes de sua alma permanecessem trancada. [...]" - Página 172

 Keylpas transporta o leitor para o passado, cria personagens fascinantes, sabe a "fórmula mágica" de prender atenção a cada página. Ao final sempre deixa o gostinho de "quero mais"  com aquele acalento no coração.E desta vez dá dois presentes ao leitor:


  •  Receita de biscoitos cremosos de menta ( Leia e entenderá);
  • Nota da autora, em que além de explicar sua pesquisa da moda da época, conta um pouco sobre a primeira mulher a se formar como médica e cirurgiã na Inglaterra (Uma pequena homenagem que introduziu com uma personagem  que aparece ao longo da leitura). E um miniglosário de termos galeses.
 Mais uma vez, a editora Arqueiro caprichou na capa e manteve a padronizarão da diagramação do volume anterior;  só elogios a editora por publicar com tanta qualidade esses romances de época tão queridos. Aye!

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Livro: Desafia-me - Tahereh Mafi

















Sinopse:Mais forte, corajosa e resistente do que nunca, a protagonista Juliette Ferrars lutará pela vida e pelo amor nesta arrebatadora continuação da série Estilhaça-me! O curto mandato de Juliette como comandante suprema da América do Norte foi um desastre total. Quando os filhos dos outros líderes mundiais aparecem à sua porta, tudo o que ela quer é recorrer a Warner para obter apoio e orientação. Mas ele parte seu coração ao revelar que está mantendo segredos sobre a família e a identidade dela – segredos esses que mudam tudo. Em Desafia-me, Juliette descobre que nada em seu mundo é o que parece. Ela achava que tinha derrotado o Restabelecimento, que finalmente assumiria o controle de sua vida, de seu poder, de sua dor. Mas ver uma vida inteira de mentiras se desfazendo diante de si muda tudo. Agora, Juliette deve lutar pela vida e pelo amor, mas primeiro terá de sobreviver à guerra sendo travada contra a sua mente: ela terá de lembrar quem ela mesma era.

Comentando...

 Quinto volume da série "Estilhaça-me" que foi meu primeiro contato com distopia e posso afirmar que dei muita sorte, pois é uma saga maravilhosa. A cada volume Mafi prova que não está escrevendo apenas para " vender mais do mesmo"; a cada acontecimento os leitores entendem o porquê as continuações foram tão necessárias.

 Em "Desafia-me" esteja preparado para uma potente carga dramática, muito sofrimento, revelações, suaves toques de humor que com todas dificuldades enfrentadas os personagens conseguem carregar e aquele romance que sempre arrebata o coração. 

 Todo herói, heroína tem um início, correto? E neste livro, finalmente, o leitor vai desvendar os mistérios que cercam o passado de Juliette, Warner e mais do que isso o passado que trouxe a atual realidade da humanidade. As "peças" da trama começam a se encaixar. 


" Ela não sabe que meu corpo não para de tremer, que minha pele fica lisa de suor todos os dias de manhã, que minha garganta queima com o retorno da bílis.Ela não sabe o que está acontecendo comigo. Ela nunca poderia entender a doença que assola meu coração. Ela não poderia entender essa agonia.
 Lembranças." - Página 138

  Narrativa em primeira pessoa com o ponto de vista de três personagens. A editora caprichou na edição mantendo capa original e com uma ótima diagramação.

 Autora continua com sua narrativa impactante da qual particularmente eu virei fã:

" O mundo parece estranho. Cheiros me confundem. Palavras não parecem mais certas na minha boca. [...] Minhas lembranças de pessoas e lugares parecem distorcidas, fios esgarçados que vão se juntando para formar uma tapeçaria esfarrapada." - Página 139

"Quanto mais me lembro, menos esse lugar me parece estranho. Menos esses sons e cheiros - essas montanhas à distância - parecem desconhecidos. É como partes díspares de meu eu mais desesperado estivessem se costurando uma nas outras, como se os vãos do meu coração e na minha cabeça estivessem se curando, enchendo-se de sensações. - Página 141

"Sinto-me diferente. Mais pesada, como meus pés estivessem plantados com mais solidez, liberado pela certeza, livres para criar raízes aqui em mim, livres para confiar inequivocamente na força e na firmeza do meu próprio coração. [...] - Página 141

 Desta forma, mal posso esperar para ter em mãos o sexto e pelo que saiba, último volume.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Livro: Talvez Um Dia - Collen Hoover
















Sinopse:  Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex-melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido.
Sydney encontra abrigo na casa de Ridge, um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.

Comentando...

  Sempre fui apaixonada por leituras que abordassem a temática musical e assim que conheci este livro quis ler. Este, é o terceiro livro que leio da autora. "Talvez um dia" é New-Adult  repleto de drama, problema e mais drama... Mas, com solução.  E claro, tem a presença do elemento que rege o desenvolvimento da obra: Romance.

  A autora fez uma parceria com o músico Griffin Peterson. Ele é "o queridinho" de Hoover  já  que fez outras parcerias; sendo o modelo da capa do livro - Losing Hope (Sem Esperança). Collen disponibiliza todas as canções criadas para o livro e recomenda ouvi-las  quando aparecerem na história. No entanto, resolvi ouvir somente ao final da leitura pois, queria imaginar na minha cabeça como seriam as canções. As músicas tem um estilo da banda The Fray com toques de John Mayer. Minha favorita em sonoridade é "A Little Bit More (Um pouco mais) ".

 A trama é envolvente, gostei muito da protagonista Sidney que é honesta consigo mesma e sempre questiona-se. Já Ridge ,apesar da lealdade inabalável,  confesso que fiquei "com raiva" dele algumas vezes. Jamais por sua lealdade e sim por não conseguir distinguir seus próprios sentimentos, assim como, suas ações contraditórias.

— [...] Talvez eu não expresse meus sentimentos da mesma maneira que você, mas com certeza tenho pensamentos ruins. E, ultimamente, péssimas intenções. Estou começando a achar que não sou tão legal quanto sempre achei que fosse." - Página 156

"Não há maneira de descrever o que estou sentindo. Sei que a forma como penso nela é errada, mas sofro porque, quando estou com ela, parece tão certo. - Página 171 

" Não é fácil vencer uma guerra travada contra seu coração" - Página 176

" Acredito verdadeiramente em pessoas que aparecem na nossa vida e têm almas completamente compatíveis com a nossa. Às vezes, nos referimos a elas como almas gêmeas. Outras vezes, como amor verdadeiro. [...]" - Página 234

"Seu olhos percorrem cuidadosamente o meu rosto, como se quisesse guardá-lo na lembrança. Mas esse é o último lugar que quero estar." - Pagina 263

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Livro: Um Sedutor sem Coração - Lisa Kleypas















Sinopse:  Devon Ravenel, o libertino mais maliciosamente charmoso de Londres, acabou de herdar um condado. Só que a nova posição de poder traz muitas responsabilidades indesejadas – e algumas surpresas.A propriedade está afundada em dívidas e as três inocentes irmãs mais novas do antigo conde ainda estão ocupando a casa. Junto com elas vive Kathleen, a bela e jovem viúva, dona de uma inteligência e uma determinação que só se comparam às do próprio Devon.Assim que o conhece, Kathleen percebe que não deve confiar em um cafajeste como ele. Mas a ardente atração que logo nasce entre os dois éimpossível de negar.Ao perceber que está sucumbindo à sedução habilmente orquestrada por Devon, ela se vê diante de um dilema: será que deve entregar o coração ao homem mais perigoso que já conheceu? 

Comentando...

 A autora ,mais uma vez,  consegue construir uma boa história. Nada revolucionário e sim mantendo as típicas tramas contidas em romance de época.

  Com personagens espirituosos desde o protagonista Devon e sua jornada de mudança  a personagens até então secundários como West Ravanels. Uma mocinha que não deixa-se iludir pelo coração mas também não o fecha.


  Lisa em seus romances publicados no Brasil  tem avançado no tempo, visto que mostra trens, encanamento para fornecimento de água quente... Singelas mudanças que faz o leitor perceber a estrutura temporal que delimita o ambiente.


 Certamente ao ler, você irá querer conhecer a famosa loja de departamentos  Winternone`s e ficará curiosa com o misterioso comportamento do dono.


 Kleypas fecha a aventura de Devon e Katheen neste volume. Contudo, soube entrelaçar acontecimentos importantes da tímida Helen. 


 A capa está linda. Daquelas que chamam atenção de modo positivo ao entrar em alguma livraria e garanto que não é só a capa o chamariz para ter esse livro. Para quem gosta deste tipo de leitura, "Um Sedutor Sem Coração" é uma ótima aquisição na estante
.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Livro: Rainha do Ar e da Escuridão - Cassandra Clare

Sinopse: Rainha do Ar e da Escuridão é a conclusão épica para outra grande trilogia do universo de Instrumentos Mortais da autora best-seller Cassandra Clare. Sangue inocente foi derramado nos degraus do Salão do Conselho, e o mundo dos Caçadores de Sombras se encontra à beira de uma guerra civil. Parte da família Blackthorn foge para Los Angeles, em uma tentativa de descobrir a origem da doença que está acabando com os bruxos. Enquanto isso, Julian e Emma tomam medidas desesperadas e embarcam em uma perigosa missão para o Reino das Fadas a fim de recuperar o Volume Negro dos Mortos. O que encontram é um segredo capaz de destruir o Mundo das Sombras e abrir um caminho tenebroso para um futuro que nunca poderiam ter imaginado. Em uma corrida contra o tempo, Emma e Julian devem salvar o mundo dos Caçadores de Sombras antes que o poder mortal da maldição parabatai destrua tudo o que amam.

Comentando...

  Com certeza pode ser descrito como conclusão épica pois que livro maravilhoso. Mais de setecentas páginas e em momento algum a autora "enrola" o leitor, sempre há acontecimentos e informações importantes a cada virar de página. E mesmo quem já está inserido no universo de caçadores de sombras pode se ver com um "nó na cabeça" em certos momentos pois existe uma variedade enorme de personagens secundários com direito a nome e sobrenome; então certas vezes recomendo não preocupar-se com estes detalhes e ir deixando a leitura fluir.

 Cassandra trabalha com muitos núcleos e em um mesmo capítulo o leitor depara-se com diversos focos em determinados grupos de personagens apesar de Julian e Emma serem os protagonistas da trama. 

 Preciso dizer que fiquei absolutamente e irrevogavelmente apaixonada por Emma e Julian. A autora constrói tão fortemente os laços amorosos que você passa a sonhar com um amor tão poderoso assim e nada a menos do que isso.

 Não somente o casal de protagonista capta atenção do leitor mas cada personagem dá seu toque especial na história criada. Dá para matar a saudade dos demais livros da autora e já vislumbrar novas aventuras.

  Ao final do livro, há um capítulo extra na edição de colecionador contudo foi tão curto que queria muito mais. E também há algumas ilustrações que recomendo ver somente no fim da leitura.

A seguir, destaque de alguns trechos singulares da obra:


"Emma ouviu o som familiar de Julian subindo os degraus. Os passos dele eram como uma melodia conhecida desde sempre, tão familiar que quase deixara de ser música." - Página 24

" Era difícil não se sentir sem rumo agora, feito um barco sem atracação na maré. [...]" - Página 97

" O céu era uma estrada e as estrelas formavam trilhas; a lua era uma torre de vigia, um farol que conduzia ao lar." - Página 177

" [...] doía ver as mãos de pintor dele, fortes e articuladas, a escuridão macia de seus cabelos, o arco de cupido de seu lábio, a tonalidade dos olhos.A forma como ele se movimentava, sua graça artística, tudo nele que sussurrava Julian para ela." - Página 459

" As pessoas eram feitas de diversos pedacinhos diferentes, pensou Dru. Partes engraçadas, partes românticas, partes egoístas e partes corajosas.Às vezes você só enxerga algumas.Talvez, quando visse todas, é que percebesse que conhecia alguém muito bem." - Página 475

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Ilustração: Annya Marttinen e Diana Pedott

A postagem de hoje é sobre ilustração. E resolvi apresentar aqui no blog, duas ilustradoras que admiro muito o trabalho.

 A primeira é a canadense Annya Marttinen  (https://www.annyamarttinen.com/). Cuja algumas artes, são vendidas como marcadores de livros e ela costuma a fazer muitas ilustrações representando gatos ou algo relacionado a leitura.


 Já Diana Pedolt (https://www.dianapedott.com/)  é brasileira. Percebe-se em suas obras a delicadeza em cada detalhe. Entre suas ilustrações destaca-se a representação de grandes personagens femininas, por exemplo.

Já conheciam?  Espero que tenham gostado da dica.