quarta-feira, 11 de julho de 2018

Assisto ou Desisto: O Plano Imperfeito

Sinopse:Harper (Zoey Deutch) e Charlie (Glen Powell) trabalham como assistentes para dois executivos em Manhattan. O temperamento e a dinâmica de seus chefes transformam suas vidas em um verdadeiro inferno. Desesperados e exaustos, os dois jovens se juntam para elaborar um plano um tanto quanto ousado: fazer com que os seus superiores se apaixonem e, dessa forma, fiquem mais tranquilos em relação ao trabalho.


Comentando...

Lançado mês passado, filme produzido pela Netflix. A atriz Lucy Liu e Tayes Diggs, ambos interpretam aqueles chefes insuportáveis que não valorizam os funcionários e descontam todas suas frustrações nas pessoas mais próximas do trabalho, ou seja, em seus assistentes : Harper e Charlie. Os dois vivem para satisfazer as vontades dos autoritários chefes. Mesmo vivendo diariamente o tormento no emprego, eles não se conheciam, até que o "destino" interfere. Após descobrirem que compartilham do mesmo problema, eles combinam fazer um"Cyrano" (Termo usado por Haper que é bem interessante pois refere-se ao clássico livro de Edmond Rostand, em que o protagonista, Cyrano, ajuda outra pessoa a conquistar sua amada Roxana). E desta forma, com inúmeras situações inusitadas; eles tentam juntar os seus superiores. Pois, se estes estiverem ocupados com uma boa vida amorosa estarão de bom humor logo não pensarão tanto no trabalho, o que facilitaria a vida de Haper e Charlie.

O filme mostra a dificuldade de ter um bom emprego por mais que você seja qualificado para o cargo, o quanto muitas vezes as relações amorosas são extremamente superficiais e aquele clichê (Que românticos, eu me incluo aqui, amam) de que às vezes o verdadeiro amor pode estar próximo e você nem espera.

"O Plano imperfeito" tem uma boa produção, dinâmica nos acontecimentos e escolha bem feita para a composição do elenco. Facilmente poderia estar nas telonas do cinema causando boas risadas e aquela sensação doce que somente um  bom filme de comédia romântica proporciona no coração.

Parte favorita a seguinte frase: 
"Você gosta porque , e você ama apesar de." 
Seguido do diálogo explicativo "  Você gosta de alguém por causa de suas características,e você ama alguém apesar de algumas características.".

Para finalizar a resenha, desejo esta pequena e significativa  palavra: "despite" (apesar) na vida de cada leitor aqui do blog. Que cada um consiga encontrar seu verdadeiro "apesar".

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Livro: Um Beijo à Meia-Noite - Eloisa James







Sinopse: Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo.
Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo.
Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo.
Um beijo à meia-noite é um conto de fadas inspirado na história de Cinderela. Com um estilo que combina graça, encanto e sedução, Eloisa James escreve uma narrativa envolvente, com direito a fada madrinha e sapatinho de cristal.


Comentando...

 Amo conto de fadas desde criança e já li inúmeras versões . Entretendo, foi a primeira vez, que li um romance de época baseado na clássica história de Cinderela. Ouso comentar, que Eloisa James cumpriu esta tarefa com maestria. 

Eloisa James chama atenção por ter elogios de autoras consagradas como Lisa Kleypas e Julia Quinn. Conforme a pequena biografia encontrada na orelha do livro, a autora é formada na conceituada faculdade de Harvard e apesar de seu primeiro livro ter sido rejeitado por todas as editoras, James tornou-se  autora de diversos best-sellers.

Não é tarefa nada fácil tentar recontar um conto de fadas, quanto mais o da Cinderela em que praticamente todas as pessoas conhecem. E o que mais me fascinou nesta leitura é que realmente foi construído uma história diferente. A base em si é de Cinderela, mas  o livro conseguiu ter sua própria "alma".   A protagonista Kate Daltry não é uma jovem submissa, ela luta pelo seus ideais, acata as ordens da madrasta para tentar ajudar os trabalhadores que dependem da família dela (Não existe aquele foco de uma injustiçada limpando a casa e sorrindo com isso), não existe duas irmãs "postiças" malvadas, ratinhos são trocados por cachorros (Cada um com sua personalidade) e Fada Madrinha foi brilhantemente bem utilizado o segundo termo "Madrinha".

" E tudo acabou com ratos; o que era adequado, pois foi assim que a história começou." - Página 28

 Logo nos primeiros capítulos há uma revelação sobre a família de Kate. As páginas iniciais são mais introdutórias e como há diversos personagens, títulos de nobrezas com nomes e sobrenomes talvez o leitor não acostumado com romances de época se atrapalhe um pouquinho. Mas cada personagem é tão bem trabalhado que logo ocupam um lugar especial na mente e coração de cada leitor. 

 Além da narrativa bem desenvolvida, destaco especialmente os diálogos "espirituosos" entre Kate e o príncipe, ou simplesmente, Gabriel. O modo gradual como os personagens se envolvem torna "Um beijo à meia-noite" aquele livro que você não quer largar.

A capa ficou linda e delicada. Na diagramação há o sapatinho de cristal em cada início de capítulo ou mudança de narrativa.

A seguir alguns trechos que selecionei:

" [...] Ele precisava encontrar uma mulher cujos olhos não se arregalassem nem cintilassem de felicidade diante da perspectiva de ser apresentada a um príncipe.[...]" - Página 23

"Por que não percebera que não era mais curvilínea, encantadora e agradável? Quando a amargura penetrara em sua corrente sanguínea, transformando aquela menina do passado em algo diferente?" - Página 33

— [...] Mas é tão interessante. É como morar num conto de fadas." - Página 58

" Nenhum príncipe pode fazer isso - disse Kate. — Seu casamento é uma questão de protocolo real, tratados e coisas do gênero.- Página 205

"[...]Com uma espécie de tristeza dilacerante, Kate sabia que nunca esqueceria aquele príncipe.

 Não por causa de seus olhos vorazes e de seus cabelos rebeldes, mas por ele ter assumido os parentes excluídos, a coleção de animais, o leitor da tia [...]" - Página 221

A autora demostra no livro seu conhecimento de Shakespeare. Fecha a história com um doce Epílogo deixando ainda uma "Nota da Autora" explicando alguns fatos da construção desta história.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Livro: Príncipe Partido - Erin Watt













Sinopse: Reed tinha tudo na vida: beleza, status e dinheiro. As garotas da sua escola matariam para sair com ele, os caras queriam ser como ele, mas Reed nunca tinha dado a mínima para nada disso. Nem para a família. Até que Ella Harper apareceu na sua vida. Quando Ella chegou à mansão dos Royal, o que ele mais queria era que a nova hóspede sumisse, mas ela o conquistou e, agora, Reed irá fazer de tudo para mantê-la por perto. Ella lhe dá segurança, lhe transmite paz, o aconchega... sensações que há muito tempo não sentia. Porém Reed comete um deslize e Ella se afasta por completo, trazendo caos à família Royal. Reed vê seu mundo desmoronar e toda a esperança de viver um romance com Ella desaparece. A garota dos sonhos de Reed não quer mais saber dele, porque sabe que se ficarem juntos, isso vai destruí-los. Ella pode estar certa. 

Comentando...

"Príncipe Partido" é  continuação  de "Princesa de Papel" (Já resenhado aqui no blog), este é o tipo de leitura que para entender necessariamente tem que ler o volume anterior. Contudo, se não leu o volume 1, não se preocupe, pois esta resenha não contém spoiler e talvez te deixe com vontade de ler logo.

 Sempre é bom avisar que a série The Royals é destinada ao público adulto.

 Alguns capítulos são narrados por Reed e outros por Ella. Todavia, não é aquele padrão obrigatório de cada capítulo alternado por um protagonista. O que é ótimo pois as autoras souberam encaixar o ponto de vista de cada personagem de maneira a preencher algumas lacunas. Prepare o coração pois um certo capítulo, nas partes finais do livro,  meio que é "omitido" trazendo o ar de mistério para o leitor e curiosidade para o próximo volume.

Há um crescimento no desenvolvimento de todos os personagens que percebem seus defeitos e erros cometidos. 

"[...] Tem muitas coisas em meu passado sobre quais Ella não sabe. Muitas coisas poderiam provocar nojo nela. [...]" - Página 10

" [...] Nós somos como veneno, East. Todos nós. [...] Talvez ela esteja melhor sem a gente.- Páginas 26/27

"Estou disposto a fazer quase qualquer coisa por você. Eu voltaria no tempo e mudaria as coisas se pudesse. — Ele olha para mim com determinação. — Mas não vou deixar você em paz. - Página 95

Ella continua sendo  forte e decidida. Também tem seu lado frágil e várias vezes questiona-se de seus sentimentos:

" [...] Deste momento em diante, são meus inimigos. São guardas da prisão, e eu sou a detenta.Eles não são meus amigos nem minha família. Não são nada para mim." - Página 74

" A pergunta que eu devia estar fazendo a mim mesma é se vou deixar um cara estragar minha vida. Sou tão fraca a ponto de não conseguir enfrentar Redd Royal? [...]" - Página 84 

— " [...] Nós não somos nada. Somos fumaça: algo sem corpo e sem sentido. — Ela mexe os dedos em um estalo sem som. — Nós não somos nem um tragédia. Não somos nada."  - Página 129

"Meu Deus. Quando minha vida virou uma novela?" - Página 178

" [...] Eu... sinto falta de Reed. Tenho raiva de mim mesma por isso, mas não consigo me controlar. [...]" - Página 178

"[...] Alguma coisa nesse cara sempre me pareceu certa, mesmo quando era errado, mesmo quando jurei que nunca mais me apaixonaria poe ele." - Página 233

Se pudesse definir esta leitura em uma palavra, escolheria: "Reviravoltas". Porque é cada segredo revelado desde o primeiro capítulo que só lendo para entender toda a complexidade da família Royal.

No livro 1, o leitor fica surpreendido com o final, então não espere absolutamente nada diferente em "Príncipe Partido".

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Assisto ou Desisto: Filme - Your Name













Sinopse: Mitsuha é a filha do prefeito de uma pequena cidade, mas sonha em tentar a sorte em Tóquio. Taki trabalha em um restaurante em Tóquio e deseja largar o seu emprego. Os dois não se conhecem, mas estão conectados pelas imagens de seus sonhos.

Comentando...

Baseado no livro do autor Makoto Shinkai, "Your Name" é um anime que tornou-se a maior bilheteria no Japão de filmes deste gênero.Produzido em 2016 o filme está presente no catálogo da Netflix.

 Ano passado, mesmo sem conhecer absolutamente nada do filme, eu adicionei ele na minha lista. Comecei a assistir e não sei por qual motivo desisti com menos de cinco minutos de  (Que erro!). Entretanto, o anime permaneceu na minha lista e este ano assisti e revi para escrever esta postagem.

Cada detalhe da animação é bem trabalhado desde personagens, belíssimos cenários, o detalhe de cada característica física, expressão do anime, trilha sonora e narração. Esta última  chama atenção pela teor romântico e alternada entre os protagonistas Mitsuka e Taki. 


"  Alguns dias acordo chorando sem saber por quê. Isso me acontece de vez em quando. E o que tenho sonhado, nunca lembro. Mas... 
 Mas... A única coisa que me resta quando acordo, é um sentimento de perda que dura muito tempo.Sempre estou procurando algo. Ou alguém.
 Esse sentimento me consome... desde aquele dia. O dia que a estrela caiu. Foi como ver algo saído de um sonho. Nem mais nem menos.
Que vista espetacular."

Trata-se de amizade, relação familiar, perdas,fé amor e magia.

— Os fios representam o passar do tempo. Se emaranham e se retorcem, se desenrolam e se unem, e isso é o tempo."

Cena favorita:  Quando Taki escreve algo especial na mão de Mitsuka. (Gostaria que alguém escrevesse isto para mim, na minha mão).

 O título do filme é extremamente significativo visto que Mitsuka e Taki nunca conseguem lembrar por muito tempo o nome um do outro.

Importante: Depois deste filme, talvez você veja o metrô com outros olhos.

As músicas também ganharam legenda e foi algo muito importante pois as letras além de lindas fazem parte da história. Separei trechos de duas canções:

"Se pelo menos pudéssemos
       Ouvir nossas vozes
       Se pudessem chegar 
       Ao fim do mundo
       E do tempo
       Em vez de se desvanecerem no vento
       Que palavra seriam?
       Não existiria um "talvez"
       Façamos uma promessa eterna
       Digamos no três
                [...]
       Estou indo ver você
       Perseguindo seu nome" 

" Só mais um pouco, mais um pouco
         Vamos ficar juntos
   [...]                          
         Somos viajantes do tempo
         Escalando suas barreiras
         Cansados de sempre procurar-nos
         E nunca nos encontramos
         Prometo que não te deixarei ir
         Nunca o farei
         Porque agora entendi tudo
         Você é um chorão
         Quero frear seu pranto
         E ver seus olhos secos
         Mas quando fui
         Secar suas lágrimas
         Me rejeitou e entendi
         O motivo de seu pranto
         Chora mesmo estando feliz
         Sorri quando se senti só
         É porque uma parte de você 
         Se adiantou
         O vento nostálgico
         Que passou entre nós
         De onde trouxe
         A solidão que transportara?
         Olhando para o céu
         Depois de derramar meu pranto
         Posso ver quilômetros de azul
          Nunca tinha visto algo assim.
                                                       [...]                        " 

 Resultado final: Assista! Posso descrever "Your Name" como um anime absolutamente encantador daqueles que dá para deixar os olhos lacrimejando e com um sorriso de satisfação ao final.   

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Filme: A Barraca do beijo

Sinopse:Melhores amigos desde sempre, Elle (Joey King) e Lee (Joel Courtney) têm a inventiva ideia de gerenciar uma barraca do beijo durante um evento da escola. Para fazer da proposta um sucesso, a garota tenta convencer o galã Noah (Jacob Elordi), seu crush e irmão mais velho de Lee, a participar da brincadeira. Ele mostra-se irredutível, mas os dois acabam se aproximando como nunca, o que estremece a amizade de Elle e Lee

Comentando...


 Soube deste filme antes de estrear pois uma amiga minha viu o trailer e logo lembrou de mim( Sim, estes filmes fazem meu estilo). Então, assim que teve o lançamento oficial pela Netflix, afinal  "A Barraca do Beijo" é produção original do  famoso streaming, fui conferirO resultado? Tornou-se um dos meus filmes de comédias adolescentes favoritos

 Há absolutamente todos os clichês românticos possíveis contudo, isso não o faz ficar ruim pelo contrário a faz sorrir e suspirar.

 O filme foi inspirado em um livro que em breve estará na Brasil (Já está em Pré-venda nos sites). A autora chama-se Beth Reekles e ajudou a escrever a adaptação para as telas. Beth é formada em Física e originalmente seu livro foi publicado pela plataforma whatpadd que chamou atenção de uma editora pelo enorme número de leituras. Assisti uma entrevista com a autora e ela demonstra-se extremamente simpática e humilde.

 Voltando ao filme... A narrativa é pelo ponto de vista de Elle de um modo que ficou bem divertido. A escolha de todo elenco foi ótima e há aquela química entre os protagonistas. Elle é uma personagem alegre e destemida. Mesmo com a carga de tristeza que carrega ela teve apoio de seu melhor amigo Lee e são como irmãos visto que além de dividirem a paixão pela dança, nasceram no mesmo dia,  mesmo horário e ainda são vizinhos (Queria muito ter um amigo assim e quem não quer?). 

 Eles criaram desde crianças uma Lista de Regras da amizade. Entre os itens da lista estão: "Regra um: só o seu melhor amigo pode saber seus desejos de aniversário. Regra Dois: nunca contar nossos segredos para outras pessoas... Regra nove: parentes do seu melhor amigo são totalmente proibidos"... A Regra nove que é o problema já que Elle sempre teve uma queda pelo Noah Flynn - irmão mais velho de seu melhor amigo. Os dois implicam um com o outro e a grande "virada" nos acontecimentos é quando tem o evento da Barraca do Beijo...

Entre o elenco merece destaque a participação de Molly Ringwald atriz famosa por ser a mocinha em filmes de comédia-romântica dos anos 80 como "Gatinhas e Gatões", "A Garota de Rosa Shocking" e o aclamado "Clube dos cinco" . Este na minha opinião ganhou uma singela homenagem porque a canção " Don't You Forget About Me " da banda Simple Minds  é tocada em um momento especial.

Ah! A autora fez uma participação especial na cena de aniversário de Elle e Lee. (Beth Reekles é a de vestido amarelo  com a pluma azul) - Foto retirada do Instagran da escritora.

Frase marcante do filme: "Porque eu amo você.E aqui, na frente de todos estou dizendo que amo você."

Dica: Assistam as cenas quando termina oficialmente o filme, tem "extras" de certos acontecimentos.

 Foi publicado um único livro de "A Barraca do beijo" (Espero que tenha continuação). Não sei dizer o quanto o filme foi fiel a obra pois ainda não li. Contudo, o título deixa a sua marca sendo aquela obra cinematográfica fofa e isso, certamente, ninguém pode negar.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Livro:Princesa de Papel - Erin Watt

Sinopse: Ella Harper é uma sobrevivente. Nunca conheceu o pai e passou a vida mudando de cidade em cidade com a mãe, uma mulher instável e problemática, acreditando que em algum momento as duas conseguiriam sair do sufoco. Mas agora a mãe morreu, e Ella está sozinha. 
É quando aparece Callum Royal, amigo do pai, que promete tirá-la da pobreza. A oferta parece tentadora: uma boa mesada, uma promessa de herança, uma nova vida na mansão dos Royal, onde passará a conviver com os cinco filhos de Callum. 
Ao chegar ao novo lar, Ella descobre que cada garoto Royal é mais atraente que o outro – e que todos a odeiam com todas as forças. Especialmente Reed, o mais sedutor, e também aquele capaz de baixar na escola o “decreto Royal” – basta uma palavra dele e a vida social da garota estará estilhaçada pelos próximos anos. 
Reed não a quer ali. Ele diz que ela não pertence ao mundo dos Royal. E ele pode estar certo.


Comentando...

 "Princesa de Papel" logo chama atenção pela bela capa, detalhes da diagramação e pelo título. Mas é bom ressaltar que apesar da protagonista ter 17 anos, é um livro destinado para o público maior de 18 anos.

 Trata-se de uma leitura um tanto que polêmica, alguns leitores gostaram outros nem tanto. Contudo, assim que soube do livro fiquei com muita vontade de ler para ter minha própria opinião.

 A narração é feita em primeira pessoa  na visão da protagonista Ella. Vocabulário bem informal porém sempre há algum acontecimento na trama e isso faz o leitor ficar lendo diversas páginas sem nem notar, consegue captar a atenção.

 Ella é uma personagem extremamente forte, passou por inúmeras dificuldades em sua vida e morar com a família Royal vai ser outra etapa nada fácil . O destaque é que em diversas situações, Ella poderia ter desabado em choro e desespero; mas não. Ela tenta dar a volta por cima e fazer o melhor que pode para se adaptar ao "mundo novo" pois além do luxo proporcionado pelo dinheiro, há muita intriga,festas, inveja e segredos envolvendo os Royals.


" [...] Às vezes, acho que sou jovem demais para ter vivido a vida que eu tive." - Páginas 20/21

" Sorrir não faz parte do meu estado natural. Na verdade, até dói. Meu rosto está desacostumado [...]" - Página 110

— [...] Você pode ter perdido sua família, mas não está mais sozinha, Ella.Você é uma Royal agora." - Página 35

O título do livro é ótimo e adorei  que há referencia sobre tal:

" Esta casa é uma ilusão. É polida e bonita, mas o sonho que Callum está tentando me vender é frágil como papel. Nada fica brilhante para sempre neste mundo" - Página 39

 Outra personagem feminina que deu dinâmica a leitura é Valerie. Quanto aos personagens masculinos... Acho que é exatamente neles que está a "polêmica". E a seguinte frase talvez traduza um pouquinho:

" [...] Reed Royal é um vilão disfarçado de príncipe" - Página 198

O fato é que normalmente ao ler romances é comum ter aquele herói romântico em que as qualidades se sobressaem a qualquer mínima imperfeição. Entretanto, não existe este almejado mocinho no livro.

 Apesar da beleza física da família Royal não há demonstrações desta mesma beleza interior. Diversas atitudes dos filhos de Callum Royal são extremamente cruéis.  Quem já assistiu o seriado Gossip Girl, certamente, vai lembrar de Chuck Bass - um personagem rico mas que descontava seus conflitos internos magoando as pessoas ao seu redor. Tive esta sensação com os membros da família Royal. Agora fica o questionamento, estes personagens tem redenção? Eles deixam o leitor com raiva e em certos momentos demostram fragilidade, nota-se que ainda tem algo bom dentro de cada um.  

— [...] Eu preciso sair deste maldito lugar e me transformar em algo melhor. Em alguém ... digno... —  A voz dele tropeça na última palavra." - Página 260

No meio conflito todo, consegue-se criar uma forte química entre o casal formado.

Curiosidade: Erin Watt é o pseudônimo escolhido pelas autoras Elle Kennedy e Jen Frederick . 


 Não foi por acaso que "Princesa de Papel" entrou na lista de mais vendidos do The New York Times ocupando o primeiro lugar. Visto que o final deste volume surpreende e deixa o leitor curioso para saber quais serão os próximos acontecimentos.